Espaço do Professor

Home / Espaço do Professor

A essência de ser estudante

Ser estudante significa ter um objetivo e motivação de vida, pois o conhecimento é um instrumento de cada aluno(a) a sonhar e beneficiar a vida humana começando em si mesmo. Significa também querer um mundo melhor em nossas mãos, acreditando e sonhando as realizações dos sonhos e metas a partir de cada estudante.

Mas, ser estudante não é fácil, pois exige dedicação e compromisso em seus objetivos para que os seus objetivos sejam realizados. Muitos alunos sentem no coração um turbilhão de vontades, porque estão em processo de amadurecimento e discernimento perante a vida pessoal e intelectual. Sendo que, cada um queima no seu ser o desejo de seguir uma profissão, de ir além das limitações e não parar jamais de aprender.

Portanto, ser estudante é ter prazer de estudar e recomeçar dia após dia a batalha para suas conquistas, lembrando que, através dos seus estudos é onde poderão encontrar a grandeza da simplicidade humana. Nossa escola fará 25 anos de crescimento e formação humana, sejam sempre bem-vindos e acolhidos ao nosso Colégio Cascavelense, pois nós temos um grande prazer de lhes dizer que vocês, estudantes, são muito especiais, e já sabemos que todos serão a futura geração de sucesso. Um forte abraço a os estudantes ceceístas!

Professora Karol Pontes


Reflexão: “Lucas, você me deixa louca! Entendendo a HIPERATIVIDADE”

“Esse menino só dá trabalho”. “Não aguento mais”. “Isso é falta de uma boa surra”. Frases e pensamentos como esse se repetem a todo o momento na rotina de professores e pais, como bem salientou a escritora Socorro Rebelo em seu depoimento sobre situações que vivenciou com seu filho Lucas, em várias escolas. A carne é fraca, independente da formação e história de vida que se teve, todos somos humanos, falhos, passíveis de erros e muitas vezes apresentamos comportamentos instintivos. Entretanto, o conhecimento adquirido e aplicado pode elevar a qualidade de vida das pessoas, o que exige uma atitude consciente de cada um diante de uma situação crítica que possa lhe tirar do sério, o que não é fácil, mas simples.

Uma criança hiperativa não precisa de violência, críticas ou opressão, mas de compreensão e cuidados para que possa se desenvolver de modo saudável, uma vez que trata-se de um quadro clínico que exige acompanhamento especializado e muito amor.

Reclamar ou transferir responsabilidade não resolve o problema, apenas o agrava, pois contribui para se formar o estigma e estereotipar a pessoa hiperativa, o que pode culminar em situações de bullying na escola. Esta palestra me fez lembrar a metáfora do vidro de Ruth Rocha: “Eu ia a escola todos os dias de manhã e quando chegava, logo, logo, eu tinha que me meter no vidro. É, no vidro!

Cada menino ou menina tinha um vidro e o vidro não dependia do tamanho de cada um, não! O vidro dependia da classe em que a gente estudava. Se você estava no primeiro ano, ganhava um vidro de um tamanho. Se você fosse do segundo ano, seu vidro era um pouquinho maior. E assim, os vidros iam crescendo à medida que você ia passando de ano. Se não passasse de ano era um horror. Você tinha que usar o mesmo vidro do ano passado. Coubesse ou não coubesse. Aliás nunca ninguém se preocupou em saber se a gente cabia nos vidros. E para falar a verdade, ninguém cabia direito. Uns eram gordos, outros eram muito grandes, uns eram pequenos e ficavam afundados no vidro, nem assim era confortável. A gente não escutava direito o que os professores diziam, os professores não entendiam o que a gente falava, e a gente nem podia respirar direito… A gente só podia respirar direito na hora do recreio ou na aula de educação física. Mas aí a gente já estava desesperado de tanto ficar preso e começava a correr, a gritar, a bater uns nos outros”.

Talvez muitos de nós sejamos reféns desses vidros e acabemos reproduzindo esse modelo. Formatados conforme o vidro perdemos de vista que existe o lado de fora do vidro e, talvez, vários outros lados e formas de ser e agir. Temos o poder de fazer emergir a nossa felicidade e contribuir para a de outras pessoas, contudo precisamos escolher o caminho, então que sejamos responsáveis com o futuro que acolherá a nós, nossos filhos, netos…

Kenedy Torres – Psicólogo Escolar


Educar não é fácil, mas vale a pena

Nossa escola teve a felicidade de receber a psicopedagoga e escritora Socorro Rebelo, mãe guerreira e vencedora, a qual vivenciou uma jornada de experiências ao educar o seu filho Lucas, e atualmente testemunha o seu exemplo de vida a demais pessoas que passam pela mesma situação que enfrentara.

Socorro Rebelo deixou bem claro que educar não é fácil, apesar de todas as lutas diárias, vale a pena o que lutou e construiu na vida de um ser humano. Seu filho, Lucas, era um garoto que foi diagnosticado por ter hiperatividade.  A psicopedagoga  percebeu algo estranho no processo de educação dele, logo procurou especialistas e conhecimento para entender e  saber vivenciar a caminhada de experiência na vida de Lucas.

No decorrer da palestra a psicopedagoga, retratou que os pais devem estar sensibilizados e disponíveis emocionalmente para educar e ajudar por amor ao seu filho perante as suas limitações de superação ao desenvolvimento educativo. Lucas era um menino irrequieto, e por onde passava fazia confusão e constrangimentos de comportamentos irregulares. Porém, ela nunca desistiu do seu garoto, até mesmo em dias angustiantes, e praticamente sem forças. O mais interessante e formidável é que no decorrer do seu testemunho de vida, ela citava que o amor e a oração são fundamentais para suportar os desafios. Ter amor significa que tudo suporta, crê, espera por algo que seja mudado ou suportado pela felicidade de sua criança; e oração é o encontro espiritual com Deus, no qual gera paz, fé e sabedoria em cada amanhecer.

Esses foram os ingredientes que geraram estratégias e oportunidades para contribuição da educação de Lucas. Ela venceu e superou os desafios em educá-lo através do jogo de xadrez, um meio dinâmico que evoluiu o raciocínio e paciência no garoto. De fato, a simplicidade é onde podemos encontrar soluções para o cotidiano e vida humana. E, hoje  a Socorro Rebelo sente-se vitoriosa e realizada ao ver seu filho desenvolvido  na vida social e intelectual, tudo foi construído através da oração, do amor, sabedoria e paciência.

Um dos pensamentos da escritora Socorro Rebelo do livro  Lucas, você me deixa louca:  “Eu tento, eu busco, eu não passo despercebida pela vida”, uma reflexão que podemos fixar na mente, coração e alma que jamais desista dos filhos. Lucas hoje está fazendo graduação em Ciências da Computação na UECE, muito feliz, calmo e tranquilo perante a vida.

Karol Pontes – Professora de Português


congresso-capa

XXII Congresso Internacional de Antropologia de Ibero-América

O XXII Congresso internacional de Antropologia de Ibero-América foi um importante e renomado evento da área de estudos antropológicos realizado na cidade de Fortaleza nos dias 4,5 e 6 de Abril na Universidade do Parlamento Cearense- UNIPACE.

Em comemoração aos 25 anos do Colégio Cascavelense, três professores e 13 alunos do ensino médio tiveram a oportunidade de participar deste congresso de reconhecimento internacional e de extrema importância para os estudos antropológicos.

Ressaltamos que para nossos alunos, este evento foi o primeiro de porte acadêmico de suas vidas, onde eles puderam experienciar como realizar apresentar trabalhos acadêmicos, fato que foi destacado pelo diretor regional do congresso, professor Daniel Valério Martins, pois o Colégio Cascavelense foi a primeira escola de educação básica, a levar seus alunos para participar de um congresso acadêmico internacional.

Durante os três dias de congresso foram abordados diversos temas como: diversidade e práticas religiosas, tolerância, educação, meio ambiente e direitos humanos.

Nossos alunos tiveram contato com a língua espanhola em um ambiente fora da sala de aula, através das palestras ministradas por professores espanhóis e chilenos, onde observaram um pouco do léxico e da entonação da língua espanhola.

Nas cerimônias de abertura e clausura do evento, os organizadores destacaram a presença dos alunos ceceístas e agradeceram o apoio dado pela escola ao evento.

Destacamos a fala do professor Luiz Nilton Corrêa da Universidade de Salamanca, que nos falou da importante presença de nossos alunos, e que esperava que através daquele congresso, fosse despertado em nossos alunos o desejo de ser um antropólogo; e que, quem sabe, futuramente, um deles poderia estar no lugar dele promovendo em nossa capital, um evento desta magnitude.

Minelli S. Silva – 08/04/2016

 

EL XXII Congreso Internacional de Antropología de Iberoamérica

Versión del texto en español.

 

El XXII Congreso Internacional de Antropología de Iberoamérica ha sido um importante y renombrado evento del área de los estudios antropológicos que se realizo en la ciudad de fortaleza en los días 4,5 y 6 de Abril en la Universidad del Parlamento Cearense-UNIPACE.

En conmemoración a los 25 años del Colegio Cascavelense, tres profesores y 13 alumnos de la enseñanza secundaria tuvieron la oportunidad de participar de este congreso de reconocimiento internacional y de extrema importancia para los estúdios antropológicos.

Resaltamos que, para nuestros alumnos este evento fue el primero de porte académico de sus vidas, por medio del cual pudieron observar cómo realizar y presentar un trabajo académico. Este   hecho fue puesto   en   relieve por Daniel Valerio Martins director regional del congreso, pues el Colegio Cascavelense ha sido la primera escuela de enseñanza básica que ha llevado   sus alumnos para participar de un congreso académico internacional.

Durante los tres días de congreso se abordaron diversas temáticas como: diversidad y   prácticas religiosas, tolerancia, educación, medioambiente y derechos humanos.

Nuestros alumnos tuvieron contacto con la lengua española en un ambiente extra aula, por medio de ponencias impartidas por profesores españoles y chilenos, y por medio de este contacto observaron un poco de la entonación y del léxico de la lengua española.

En las ceremonias de apertura y clausura del congreso, los organizadores  del evento destacaron la presencia de los alumnos ceceístas y agradecieron el apoyo que el Colegio Cascavelense le dio al evento.

Por fin, ponemos en relieve el habla del profesor Luiz Nilton Correa, de la Universidad de   Salamanca que señaló la importancia de la presencia de nuestros alumnos, y salientó su deseo que desde ese congreso, surgiese un futuro antropólogo, que futuramente, uno de ellos tal vez podría estar allí en su lugar organizando un evento de esta magnitud en nuestra capital.

Minelli S. Silva

Graduada em Estética e Cosmetologia – Universidade Estadual Vale do Acaraú Graduanda em Letras (Português- Espanhol) – Universidade Federal do Ceará.

Professora de Espanhol no Colégio Cascavelense-Cc.


Relato sobre o XXII Congresso Internacional de Antropologia Ibero-América

“A verdade tem a ganhar quando suporta o erro alheio.” – Bobbio

 

Dentre todos os assuntos abordados queremos ressaltar que o objetivo principal do congresso é despertar o homem para a diversidade cultural e a tolerância em tudo que envolva a religião, educação e a interculturalidade. Essa temática foi explicitada por palestrantes nacionais e internacionais.

Queremos dividir com nossos leitores palavras chaves importantes desse congresso para que juntos possamos  transformar o mundo. Mundo este que faz parte de nossas vidas e por isso temos obrigação de cuidar bem dele.

Religião, Educação, Cultura, Interligação, Paz, Aprender a aprender, Antropologia, Interculturalidade, Lei Maria da Penha, Situação de rua, Liberdade religiosa, coletividade, Valorização da diversidade humana, Civilidade, Moral, Multiuniverso, Identidade, Autoaceitação Auto reconhecimento, Aculturação, Adculturação, Intraculturalidade, Interculturalidade, Multiculturalidade, Transculturalidade, Sobreculturalidade, Toré, Visibilidade, Desenvolvimento sustentável, Esforço, Meio Ambiente, Agenda XXI, Memorial, Tradições, Estética.

Para o encerramento do congresso contamos com a presença do cascavelense Dr.Josué Pereira da Costa que recitou um belíssimo cordel. Registramos a presença de Vera Lúcia Peixoto Franco, pedagoga e supervisora educacional.

Fomos visitados pelo Diretor da Universidade de Salamanca  Ángel Spina Barrios e Daniel Válerio na tarde de sexta feira do dia 08/ 03/ 2016 no passatempo do Colégio Cascavelense para a entrega dos certificados e sorteios de livros entre os alunos que estiveram presentes no XXII Congresso Internacional de Antropologia de Ibero – América. Onde na ocasião nossa escola foi agraciada com  vários livros para o acervo da Biblioteca Mattos Dourado.

 Professora de artes: Jackeline Lima.     8 de abril de 2016

 

 

AnoNovo

FELIZ ANO NOVO!

Cada amanhecer é uma oportunidade de mudarmos, recomeçarmos e crescermos, pois a vida nos mostra possibilidades para reconstruir e modificar o presente, desfrutando o bom da vida.

O ano de 2016 nos presenteia com os 366 dias de mudanças, de alegrias, de desafios e de realizações. Como dizia a nossa poetisa brasileira Cecília Meireles, “a vida é efêmera”, isto é, passageira. A escritora quis dizer que o tempo é curto e passageiro, e nós devemos aproveitar todas as oportunidades para vivermos intensamente construindo pontes do que barreiras. A caminhada humana já apresenta muitos obstáculos, mas cabe a cada um de nós formarmos pontes de amizades, amor, esperança, fé e muito amor.

Apesar da situação mundial que está tão confusa, ainda há tempo de se alegrar e ver que tudo pode mudar, pois a mudança começa a partir de dentro do nosso ser. Quando o ser humano muda por decisão de ser feliz, logo causará impacto de positividade ao eu redor.

Portanto que este ano de 2016 que se inicia, seja de muitas alegrias, porque teremos 366 dias de oportunidades para desfrutar a vida em qualquer situação. Não podemos perder os detalhes lindos que os dias irão nos oferecer, porque a vida é feita de escolhas e depende de cada um de nós para sermos felizes buscando os nossos sonhos.

Professora Karoline Pontes

 

OPINIÃO: REDAÇÃO ENEM-2015

Escrever não é fácil, exige praticidade da leitura e da escrita, estes dois hábitos da língua portuguesa desenvolvem nos estudantes grandes habilidades para produzir um texto. O ENEM 2015 teve o objetivo de avaliar o alunado no desenvolvimento da escrita para obter sucesso como porta de entrada para faculdade, e uma das notas mais exigidas refere-se à redação.

Realizou-se a prova do Enem no dia 24 e 25 de outubro, e o tema de redação do Exame Nacional do Ensino Médio foi: “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”, um assunto que impulsionou os estudantes a refletirem sobre a Lei Maria da Penha e das estatísticas de violência contra a mulher, visto que ainda existem muitos casos violentos sobre a vida feminina. A lei existe para acabar o problema, mas, de fato, não sancionou as violências à classe feminina.

Logo, os alunos deveriam apresentar, dar uma opinião, argumentar o porquê do contínuo problema, e na intervenção social não precisaria uma solução definitiva, porque já criaram a Lei Maria da Penha, e não foi resolvido os fatos caóticos. Então os estudantes deveriam criar meios de como amenizar a situação-problema para que a solução social seja eficaz.

Acredito que a proposta da redação foi receptiva a todos, pois não estava difícil o assunto abordado. Vale lembrar que, cada tema anual deve-se para produzir o texto dissertativo-argumentativo que deverá sempre ter uma relevância social, isto é, pontuar topicamente a tese com uma visão ampla relacionando-se ao contexto social na nossa sociedade brasileira. Neste ano a prova foi bem clara e objetiva no que se pedia de cada educando. Sintam-se, ceceístas, vitoriosos por participarem do ENEM- 2015, pois cada experiência faz parte da caminhada humana. Vamos torcer sempre por cada um de vocês pelo resultado final, porque acreditaremos no potencial de todos! Parabéns por superarem mais um desafio!

Karoline Araújo Pontes – professora de Língua Portuguesa

Fonte: Informação Cc- edição 321, novembro de 2015, p. 2